Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

L.C. Ferreira Word

Porque tudo o que conheço não chega, porque nunca direi vezes suficientes e porque sim...

L.C. Ferreira Word

Porque tudo o que conheço não chega, porque nunca direi vezes suficientes e porque sim...

Lisboa das Calçadas, Lisboa das Baladas

por lcferreira, em 02.01.11

 Lisboa tem sabores, cores e gentes que em parte alguma do mundo se encontram.

 Ruas e mar, tem cavernas de saber, tem tabernas de beber.

 

 Lisboa vive das vozes das gentes que a percorrem e descobrem, ora o que tem de magnífico, ora o que tem de mais primitivamente macabro.

 

 Lisboa não é mulher como as mulheres de carne e osso, tem curvas que dão em sangue, tem honestidade criminosa nas mãos. É crua, despida, cruel e ilusionista. Lisboa não se importa de o ser, não o fosse ela e seria quem a desempenhar tal papel?... Dotada de um altruísmo poético e trágico, Lisboa se encontra e se esconde por entre as gentes, por entre os passos das gentes.

 

 As gentes de Lisboa, as naturais, as naturalizadas, as que nunca dela saíram, as que não o conseguem, as que a escolheram como lar, Lisboa é mãe e madrasta de milhares de almas condenadas. Que sujam a calçada, que a limpam, que nela sangram e choram, que dela levam a beleza e o brilho, estas gentes de todas as cores, com palavras impuras e hábitos egoístas.

 

 Lisboa tem loucos, tem-nos nos cantos escuros dos prédios ruídos onde ninguém os incomode, incomodados por serem algo com que nunca encheram os sonhos infantis. Sim, cada marginal acobertado pela manta lisboeta, já foi uma criança. Herdeiras da rudez de um pai ausente ou da nudez de uma mãe meretriz, ou pelo contrário, vítimas da injustiça de um sistema falido, obrigadas a serem donos do seu próprio destino, da pior maneira possível.

 

 E Lisboa, poema de um fado rouco, não os renega, esses marginais, criminosos, traficantes, atacantes, ladrões, corruptores, mendigos, vagabundos, adúlteros. Esses homens de fogo que arde os olhos, essas mulheres sem embaraço nem dignidade. Ela, Lisboa, não os enxota do seu regaço, não os julga, não os encarcera. Faz das suas calçadas a casa de todos eles, o lar de todos eles.

 

 

 Lisboa tem coração demais para o seu próprio bem e basta olhá-la para o reconhecer. As balustradas carcomidas, as fachadas grafitadas, as janelas partidas, os passeios esburacados, ruínas por todo o lado.

 E, no entanto, deixa um cheiro de sal no ar, um cheiro que diz que aqui é casa, aqui é lar. Deixa magia por entre o ser das gentes malditas e das gentes morais.

 

 

 Lisboa tem encanto, sempre. Mesmo que lhe falte perfeição.

 

 

Passeios e Asfalto

por lcferreira, em 09.09.10

  Caminho sem rumo pelo asfalto deserto. Vozes de reis caídos soam, ecoam pela noite. Rezam glórias antigas, tempos idos, vislumbrados através do éter e do ópio contrabandeado.

 

 Não há crianças nas janelas, a noite já se demora, durmam elas em inocência.

 

 Aqui, no meio da estrada mal alcatroada, bate o reflexo de uma Lua, meia cheia, meia vazia, uma Lua que olha altiva e paciente para as coroas velhas e os brasões gastos, os mantos rotos. Pedaços de reinados que os dias calaram, vidas que se foram ser levar os despojos, seres clamando o que eram sem olhar o que podem ser.

 

 Eu, eu caminho sem olhar para trás, sem ligar ás vozes que as bermas deixam escapar, quase sem me dar conta de que estou perto do meu destino, do meu rumo desconhecido e tão reconhecível.

 Percorri a estrada, na penumbra que as lâmpadas partidas e as fundidas me deixaram. Perscrutei o passeio cheio de lixo e manchas.

 

 Cheguei. Estou aqui.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D