Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

L.C. Ferreira Word

Porque tudo o que conheço não chega, porque nunca direi vezes suficientes e porque sim...

L.C. Ferreira Word

Porque tudo o que conheço não chega, porque nunca direi vezes suficientes e porque sim...

Enquanto isso, em 2014...

por lcferreira, em 30.03.14

Fechei as portas do Céu e da Terra de uma assentada, queimei as asas aos anjos e fundi os cornos dos demónios. Morri dentro de mim e renasci nas mãos tuas. Dentro do teu sangue e suor, debaixo da tua pele e por entre as tuas golfadas de ar.

 

Sei lá se estou perdida demais para que seja salva, apenas quero este sonho tornado real, esta vertigem enebriante que me invade e me suscita a vontade de ser mais, esta sede de um amanhã igual a este hoje.

 

Dá-me a mão, vem comigo, a loucura é um passo necessário à beleza de se estar vivo.

 

Quando Voltavas

por lcferreira, em 02.02.12

 

 E a tua ausência era um poço de dor que não se dava por findada quando a Lua se escondia por entre os olhos de quem se acha adormecido. Não, nada dela se acabava apenas porque o Sol teimava em abrir as portas do seu íntimo sonho diurno.

 

 A tua falta era um mar que me afogava o sorriso e me cortava o ar, tão sem ar me ficava que os olhos lagrimados chamavam por ti, nessa língua que não é de reis nem de rainhas, mas de pobres sentimentais aprisionados pelo tempo e pelo espaço.

 

 E então, tua ausência era uma trova que se elevava pelos céus de uma benesse que se aproximava a passos largos, um sem-número de palavras ocas e sonhadas, um bem querer que me aquecia a alma fugida.

 

 Quando voltavas e até à próxima partida, a vida era um enorme coração rabiscado e contente.

 

E O Dia Nasceu Sem Vida Ou Fui Eu Que Não Quis Saber

por lcferreira, em 08.11.11

 

 Esfumava-se por entre os cantos da memória, aquele cheiro, aquele bafo quente, todo e cada centímetro daquela pele agreste.

 Ia e voltava, como um fantasma regressa a casa ou um criminoso regressa ao local do crime. Voltava e era acolhido, ou não. Mas voltava na mesma, instalava-se supremamente no seu trono de preferência e sorria, como sorriem os gaiatos quando estão felizes e seguros.

 

 Essa segurança que era só dele, essa segurança do meu regaço que era só dele, era o que o fazia voltar, fosse dia ou noite, estivesse eu de acordo ou não. E mesmo que fosse de desacordo o meu olhar, ele fazia-me render aos seus intentos, naquele calor que vem de dentro das almas apaixonadas, cegas e sombrias. Sombrias sim, que é penoso amar, é duro e frio e tem linhas de dor em todo o seu redor. Mas vale a pena, toda e qualquer lágrima vale o seu peso em ouro por aquele segundo em que o mundo pára e se suspende e tudo é luz e alegria sincera.

 

 Ele voltava, envolto em nuvens de amor e desgraça, com a voz que me afugentava os pesadelos e me adormecia, que me fazia estremecer as pernas e as mãos, me suava o parte detrás do pescoço e deixava a minha própria voz com o seu timbre grave. E eu acostumava-me aos seus ares de um homem que sabia que era meu, que sabia que eu era dele, que sabia mais de mim que eu mesma sonhava ser.

 

 Ele levava-me ao céu e ao inferno de mim, dele também. Levava-me ao topo da serra e mostrava-me o mundo e o céu ao alcançe de um palmo, dava-me tudo o que tinha em si e eu era estrelas e lua e luzes da cidade em todo ele. E depois saía da minha vida novamente, sem bilhetes nem flores, sem recados ou palavras soltas. Largava-me no desespero de ser um vulto sem ele.

 

 Um dia quis retornar ao meu regaço, depois de deixar palavras nefastas escritas a sangue no meu peito.

 

 Mas há sempre uma altura em que o amor por nós se subrepôe ao medo de estarmos sós.

 

 E ele não voltou mais...

 

 

Eu Sou o Sonho Que Não Usa Sorrisos

por lcferreira, em 06.10.11

 Sonhei com um amanhã que não existe, um sorriso que me arrancaram do peito.

 

 Sou um ser ausente da realidade, invento um hoje só para mim, ninguém lá entra, ninguém quer. Sou uma falha de existir, aqui permaneço sem saber porquê, para quê.

 Não sinto como se tivesse vindo do ventre de minha mãe, é como se me tivessem deixado abandonada num mundo que não é meu, num corpo que não reconheço, uma voz que não é igual à que vive na minha cabeça, um coração que chora mais que vive.

 

 Sou um pedaço perdido da alma que habitei, num tempo mais longe do que a memória alcança. Um lamento vago da terra batida, um sopro de um vento que aquece o céu.

 

 Sou menos do que sonhei ser, não percebo as demandas desta vida enredada em si.

 Nem sei se quero...

 

 

Entre( )Linhas e Pontos Finais

por lcferreira, em 27.09.11

 Eras tu ou era eu, que nos afundava a história e não deixava que ela se fizesse contar? Já não sei, já não me lembro, tenho nuvens nos olhos, tenho pedras no peito.

 

 Queria ter-te como nunca te tive, sentir-te como se não houvesse mundo à nossa espera, essa parafernália de cousas que temos para fazer, para desfazer, para agendar.

 Sinto-me um compromisso sem hora, um apontamento esborratado no calendário expirado, sem floridos, sem emoções.

 

 Se esta história não se perdura, não é por falta de Amor. Será por falta de quê, então?

 

 Não quero mudar mais, dar mais, dei que chegue, mudei bastante, que mais podes pedir?

 Tenho sangue quente nas veias, não me vou desculpar por tal.

 

 Não, não está a resultar. Nenhum de nós tem o que precisa, o que quer. E no entanto, amamo-nos.

 

 E eu não sei se consigo começar de novo.

 

 

As Time Will Teach You

por lcferreira, em 19.07.11

 

 Quando eu me for daqui, do meio desta casa bafienta e idosa, eu sei que não vais chorar.

 Vais, na tua imensurável crueldade comedida, sentir-te livre, vais achar que vais ficar melhor sem mim, sozinho.

 

 E durante um tempo, essa será a verdade.

 

 Mas quando esse estado de exaltação passar, vais dar-te conta que não encontrarás ninguém que te ame tanto quanto eu.

 E aí será tarde demais e esse vazio será a tua consolação.

 

 

Mil Faces Tem a Dor

por lcferreira, em 17.07.11

 

 Sou humana, de carne fraca e imoral. Sou uma só e albergo milhares de mim, em mim.

 Tenho as mãos cansadas e sem força, deixo-as cair em desespero. Não sei que mais fazer, sinto-me afogada e soterrada, não consigo agir de outro modo. Estou enredada num misto de sentires e cheiros e não estou a vislumbrar uma saída em grande estilo.

 Quero fugir de mim, do reflexo do espelho quebrado, dos modos loucos de mim.

 

 Despir a minha pele e deixá-la endurada no guarda-fatos de nogueira falsa.

Embrace The Feeling

por lcferreira, em 16.07.11

 Não obstante as dores do passado.
 Não dando vazão para os dias negros do futuro.
 Tendo completa noção dos obstáculos do presente.

 Sabendo que pode correr mal.
 Dando azo para que corra.
 Mesmo errando sucessivamenta.
 Esperando o melhor.
 Fazendo o pior.

 Deixo cair o muro e deixo-me às mãos dum poder maior.

 Apaixono-me.

 

 

O Rosto de Fel era Jovem

por lcferreira, em 14.07.11

 

 Mudaste de um dia para o outro e eu percebi. Mesmo quando dizias que não, eu percebi. És uma coisa, não é possível que sejas humano. Não há pingo de humanidade no teu íntimo e pior, não te faz diferença. É essa a diferença entre nós, sou humana demais. Erro, oh se erro!, digo e faço coisas não entendidas ou mal interpretadas, sou assim. Não sou biónica, choro e grito e tenho ataques de histerismo, sou depressiva mesmo antes de ser moda sê-lo. E tu... meu amor que me disse amar e agora já não, tu és a face mais visível da crueldade que conheci ultimamente. Tão bonito e tão doce e tão arrebatador. Tão podre por dentro como nunca vi. Para ti é normal roubar um coração e dá-lo de comer aos mares. Para mim não. Amei-te.

 

 E agora já não.

 

 

Há Mais Guerra que Paz no Reino dos Amantes

por lcferreira, em 13.07.11

 

Os meus poemas morreram afogados, foste tu. Qual Adamastor, monstro dos mares e das brumas, foste tu quem matou cada um dos meus poemas. Jazem agora eles, no meio do sal das minhas lágrimas por ti derramadas. Mortos, frios e sem vírgulas, manchados, sozinhos. Vou correr a socorrê-los, será que vou a tempo?, sei que não mas posso tentar, tenho de tentar. Que te fizeram eles para que os dilacerasses, para que os desmembrasses sem pudor? Que pecado imperdoável foram cometer, que não te dessem outra escolha senão a de os destruíres? Eram pedaços do meu amor, odes de carinho e dedicação, fragmentos do meu coração. Rasgaste o meu coração quando rasgaste os meus poemas. Ei-lo agora, morto, frio, sangrado e traído.
Era teu. Morreu.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D