Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

L.C. Ferreira Word

Porque tudo o que conheço não chega, porque nunca direi vezes suficientes e porque sim...

L.C. Ferreira Word

Porque tudo o que conheço não chega, porque nunca direi vezes suficientes e porque sim...

O Primeiro de Todos os Dias

por lcferreira, em 01.01.11

 Foi um Sol novo que se levantou quando o primeiro dos longos dias acordou. Um novo Sol cheio de promessas velhas e desejos revisitados...

 E, todavia, um Sol, nem mais. Um dia, um novo recomeço, uma razão a mais para mudar as águas turvas que ficaram no ontem que se finou em estilo apoteótico, em luzes de todas as cores. Repleto de sonhos e fadas, de tempo que os pede realizados, sem desculpas, sem adiamentos.

 

 O primeiro de todos os dias, nasceu para nós, olhem-no por toda a sua beleza, por todas as oportunidades que tráz consigo, hipóteses e hipóteses de um felicidade teatral, dramática, sentida no mais íntimo de nós.

 

 Lá atrás, por entre o rasto do álcool, das purpurinas e dos copos descartáveis, ficou um ano inteiro, a juntar a tantos que por nós passaram, uns em glória, outros nem tanto. Lá atrás, onde só a memória chega, estão as bases de hoje e amanhã, dos homens e mulheres que seremos, foi lá atrás que os começámos a definir e é agora, a partir de agora que os continuamos, muito para mudar, muito para reinventar.

 

 Aqui e agora, no primeiro de todos os novos dias, está na altura de sermos nós e só nós, a dar uma face renovada ao amor, trabalhando-o com as mãos nuas e capazes, que tudo á volta é caso de amor ou da falta dele, tudo se dá por nome dele, tudo se acaba sem ele. É dele que nasce a esperança infindável, a fé inexplicável, a tontice pura que tantas vezes nos falta.

 

 

 Talvez seja eu, mais uma alma louca e sem cura, que vê o dia a nascer e se sente grata por fazer parte dele, por ter ultrapassado mais um ano difícil e ainda assim, ter durado mais que ele.

 O ano que acabou, acabou, foi-se, esfumou-se. Deixou algo de si, claro, mas foi-se, não serve mais de desculpa para que tudo seja negro ainda, para que o Sol não brilhe.

 

 

 

 Anos, bons, maus, há-os aos magotes. Vidas, temos esta. Eu escolho vivê-la. A partir do primeiro dos dias.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D